quarta-feira, 25 de março de 2015

UMA HISTÓRIA BANAL



Essa é apenas mais uma história banal! Por isso mesmo, caso você não queira lê-la, não ficarei aborrecido ou ofendido. Na verdade eu a estou escrevendo para relaxar, numa espécie de terapia.
E por falar em terapia (prepare-se, pois o trocadilho é infame!), foi justamente para ter a pia (eu avisei!) do sanitário que tudo começou!
Eis que foi comprada uma bela pia com um simpático armário suspenso, feito de madeira! Lá um dia, percebe-se que o armário estava cedendo! Cupim! Foi o primeiro pensamento!
Mas não! Não era cupim! Ocorreu que o suporte de sustentação do armário (um armário de pia, feito para conviver com sistema hidráulico!) apodreceu com a umidade!
Tudo bem! Isso ocorre! Afinal, a umidade daqui pode ser diferente da de onde fazem o controle de qualidade!
Desmontei o armário, tirei o suporte apodrecido, tirei as medidas e fiz um novinho! Aproveitei o embalo e fiz também um ‘pé’ para dar mais apoio ao armário suspenso (que agora já não era mais suspenso, por ter pé! Um só, que nem saci, mas pé!).
Armário remontado e instalado! Dessa vez com uma folha de isopor entre ele e a parede! Maravilha!
Maravilha?
Passado algum tempo, olha o armário cedendo novamente! Maldita umidade diferente da do local do controle de qualidade, pensei!
Mas não! Não era umidade! Era cupim!
Tentei desarmar o armário, mas não foi necessário! Ele desmanchou sozinho! Morreu!
Resolve-se, então, optar por um armário de plástico! Afinal, plástico resiste à umidade e não faz parte do cardápio dos cupins!
Comprado o armário, só falta instalar!
Simples! Um suporte (onde o armário se encaixa) a ser parafusado na parede e pronto! É só encaixar, colocar as mangueiras de entrada e de saída de água e pronto! Serviço para, no máximo, 15 minutinhos!

Porra nenhuma!

A parede do sanitário foi reformada colocando revestimento sobre revestimento! Não bastasse isso, o revestimento mais recente tem parentesco com esmeril!
Resultado: Duas brocas completamente inutilizadas para conseguir fazer os seis furos necessários!
Mas eu tinha uma terceira broca! Então, tal e qual o grande Joseph Climber, segui adiante!
Pronto! Agora é só colocar o suporte na parede e encaixar a pia!

Porra nenhuma 2 - A missão!

A parede do sanitário não tem esquadro! E a pia tem!
Como encaixar um ângulo reto em um tão obtuso quanto o infeliz que fez a parede?
O primeiro pensamento foi cortar os pés da frente, para a pia ficar na mesma inclinação da parede! Mas, por sorte (pois a essa altura o raciocínio já não funcionava plenamente!), eu percebi que se fizesse isso mudaria também a inclinação do ralo da pia e a água não desceria!
Baixou então o espírito do MacGyver! Fui em busca da minha caixa de tralhas, sobras e porcarias aparentemente inúteis e... EURECA!
Com duas ‘borboletas’ de tampa de vaso sanitário nos parafusos de baixo e dois pedaços de mangueira de chuveiro nos do centro, compensei o desnível da parede, fixei o suporte no ângulo correto, encaixei a pia (com dois parafusos extras, para não correr risco de desencaixar, pois vai que o encaixe daqui é diferente do de lá do controle de qualidade!) e recoloquei as mangueiras de entrada e saída de água!
Abri o registro, já esperando que algo desse errado!
Nada! Nem um vazamento! Desconfiei! Testei novamente! Tudo perfeito! Acabou! Finalmente, depois de quatro horas e 24 minutos o ‘serviço de 15 minutinhos’, acabou!
Acabou nada! A merda do TOC entrou em ação e eu já testei a instalação pelo menos uma 50 vezes!
Por falar nisso, me dê licença que eu vou lá verificar mais uma vez!