quarta-feira, 29 de maio de 2013

RIMANDO AMOR E COR!


UM MACULELÊ PRA ZILDA PAIM!



E um dia no massapê de Sant’Amaro
E um dia no massapê de Sant’Amaro
Uma mulher cheia de garra deu de nascê
Honrou seu povo, fez da sua vida história
E imortalizou nos seus livros o tal do maculelê
E escreve lá que eu leio de cá
O tal do maculelê
E conta essa prosa que eu quero vê
A força do teu sabê!
É tanta história que vem de você
Não é só maculelê
Fala do meu povo que eu quero sabê
Meu povo do massapê
Fala do meu povo que eu quero sabê
Meu povo do massapê

Minha mãe Nossa Senhora
O meu pai é Sant’Amaro
Sabe quem me disse assim?
Foi sinhá Zilda Paim!
Sabe quem me disse assim?
Foi sinhá Zilda Paim!


PASSEIO


Pingo
Pinga

Pousa
Pétala

Para
Pesa
Percorre
Pende

Pinga

Pingo

Pequena
Poça
Pálida

PONTO A PONTO


quinta-feira, 16 de maio de 2013

FALE-ME DE MIM!


Foi bom ficar tanto tempo
Sem cruzar o seu caminho!
Foi bom por muito tempo
Você, de mim, nada saber!
Mas, agora que te encontrei,
Fale-me de mim!

Conte-me sobre como eu fui,
Os lugares onde eu andava,
As pessoas com quem saia!
Deve ter uma boa história!
Busque na sua memória!
Fale-me de mim!

Será que eu reconhecerei,
Nesses fatos da sua fala,
Algo até parecido comigo,
Com esse que me tornei?
Você que tanto me conheceu,
Fale-me de mim!

Conte-me coisas da juventude,
Sobre as nossas conversas...
Quais eram minhas atitudes?
Já fui prenúncio do que sou?
Sabes onde foi que tudo mudou?
Fale-me de mim!

Não poupe sequer um detalhe!
Se foi bom, me fale sorrindo!
Se não foi, até me avacalhe!
Só não me negue esse favor,
Agora, que estou perto do fim, 
Fale-me de mim!