sábado, 21 de dezembro de 2013

UMA VELHA CASA AZUL


E no final daquela rua tinha uma casa azul!
Uma casa muito antiga, muito bela e azul!
Porém a casa azul não era mais toda azul!
O musgo cobriu as paredes da casa azul!
E a casa azul era, também, uma casa verde!
Tempo e umidade, a salpicaram de escuro!
E casa azul era, também, uma casa marrom!
Onde o tempo desbotou, ela ficou pálida!
E casa azul era, também, uma casa branca!
E toda vez que eu caminhava por aquela rua,
Meus olhos se perdiam e prendiam a olhá-la!
Aquela linda casa azul que nem era só azul!
Mas então eu mudei e me mudei para longe...
Andei por outras tantas ruas de outros lugares,
E em nenhuma delas encontrei casa mais bela
Que aquela velha casa de tão velho azul!
De volta, finalmente ao meu nascedouro,
Fui à busca desse meu antigo tesouro
E desci a rua para ver a minha casa azul!
Minha casa não era mais uma casa azul!
Nem verde, nem marrom, nem branca!
Derrubaram a minha casa de criança!
Por isso estou aqui desabafando contigo,
Essa dor que doeu tão profundamente!
Demoliram a velha e tão bela casa azul!
Nada resta dela nesse mundo vivente!
Mas, quando eu descer de novo esta rua
E não mais ver a minha querida casa azul,
Verei a minha velha casa transparente!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

OBRIGADO NOEL ROSA!

11 de dezembro de 2013 - 103 anos do nascimento de Noel de Medeiros Rosa!

De algumas das suas letras, ousei pinçar frases para construir essa homenagem a esse gênio do cancioneiro nacional!
Obrigado Noel Rosa!

Cordiais saudações! Envio estas mal traçadas linhas que escrevi à lápis:

Quem é que já sofreu mais do que eu?
Eu hoje estou pulando como sapo pra ver se escapo desta praga de urubu! Não tenho herdeiros, não possuo um só vintém. A minha cama é uma folha de jornal! Vou fingindo que sou rico pra ninguém zombar de mim.
Foi num cabaré na Lapa que eu conheci você! Um grande amor tem sempre um triste fim! Por isso agora eu vou me defendendo da dor tão cruel desta saudade! Tu não tens pena de mim que vivo tonto com o teu olhar! Tem tem pe-pena deste mo-moribundo que que já virou va-va-va-va-ga-gabundo!
Já cansei de implorar!
Pra que mentir se tu ainda não tens esse dom de saber iludir? Nos meus olhos você lê que eu sofro cruelmente! Eu fiz tudo pra você gostar de mim! Trago no peito o sinal duma saudade! Estou cego de saudade pelos olhos seus!
Pela primeira vez na vida sou obrigado a confessar que amo alguém! Jurei não mais amar pela décima vez! Provei do amor todo amargor que ele tem!
Essa mulher não namora, também não deixa mais ninguém namorar! Vai, coração que não vibra! O amor é castigo e é brinquedo! Adeus, mulher fingida! Já sei que tens um novo amor!
Pra que foste embora? Partiu sem se despedir!
Por ti, tudo chora! De ti gosto mais que outra qualquer! Diz qual foi o mal que eu te fiz? Se eu choro, meu sentimento é profundo!
Só tens ambição e vaidade! Eu já chamei você pra ver, você não viu porque não quis! Mas meu último desejo você não pode negar: Telefone ao menos uma vez para 34-4333!
Jura, pela imagem da Santa Cruz do Redentor!

sábado, 7 de dezembro de 2013

INQUIETUDDDE

A esperar uma ideia que não vem... 
Nem mesmo em terceira dimensão!

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

ENTRELAÇADOS

Dá-me tua mão!
Permita-me levá-la
Por onde nem sei!
Percamo-nos, juntos,
Por muitos descaminhos!

Toma-me a mão!
Leva-me, também,
Por onde nem sabes!
Achemo-nos, juntos,
Por todos os cantinhos!

Demo-nos as mãos!
E, por aqui e ali,
Levamo-nos sem rumo!
Fizemo-nos unos
Em mútuos carinhos!



Para assistir ao vídeo com a música feita a partir deste poema clique AQUI!

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

SAUDADE INVERTIDA


Ah, essa louca saudade invertida,
De uma boca ainda não beijada,
De uma noite ainda não amada
Na plenitude da paixão incontida!

Ah, essa louca saudade invertida,
Do seu cheiro, ainda desconhecido,
Do seu abraço, no meu, adormecido,
Da minha vida junto da tua vida!

Ah, essa louca saudade invertida,
Me trás lembranças de um futuro
Que um dia haverá (eu te juro!),
Invertendo essa saudade invertida!

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

HAIKAI Nº1


Ao balão que sobe 
Dói este fogo que destrói, 
Baloeiro esnobe!

quarta-feira, 26 de junho de 2013

SENHORA PRESIDENTA DILMA



Senhora Presidenta Dilma,

Sou apenas um brasileiro! E, como a maioria, mais desinformado que bem informado. Posso até dizer, um ignorante em diversos assuntos! Mas, ainda assim, dou de matutar umas coisas aqui nessa minha cabeça careca e curiosa!

Qual a razão de se achar necessário um plebiscito para tentar formar uma nova Assembleia Constituinte?

A quem realmente interessa modificar a Constituição Federal?

Em quem podemos confiar, nesse momento, para que uma possível nova Constituição seja benéfica ao povo e não aos políticos?

Para que mudar a Constituição, se antes carecemos tanto de reformas política e tributária?

Se esses, que ai estão, não são capazes de cortar na própria carne, hoje, por qual razão o fariam numa Constituinte?

Teríamos uma Constituição melhor que a atual ou uma garantia legal e corporativa para quem está no poder?

Estou cheio de dúvidas, dona Dilma! Por isso fui pesquisar (faço isso desde o tempo de estudante, como uma forma de, ao menos, não ser muito ignorante ao perguntar!).

A nossa Constituição Federal tem 25 anos! Uma criança, se comparada às de outros países! No entanto, uma criança que sofre da má formação em diversas partes do corpo, e é mais emendada que o monstro criado pelo Dr. Frankenstein! Temos uma média de 3,47 emendas constitucionais ao ano! Quase 87 até o momento! A Carta Magna dos EUA sofreu 27 emendas em 224 anos (uma média de 0,12/Ano)!

Em contrapartida, diversos artigos da nossa Constituição Federal ainda hoje carecem de regulamentação. São, por assim dizer, obras prontas, mas sem inauguração! A gente vê, mas não pode usar!

Isso sem contar alguns artigos que são peremptoriamente ignorados, como o que determina a função do Salário Mínimo! Só para lembrar:

“Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;”

Está bem! Existe toda essa conversa da impossibilidade de empresas e municípios não terem como arcar com um valor acima do atual, de possibilidade de falência da Previdência Social e coisa e tal! Mas eu sempre soube que lei é lei, e foi feita para ser respeitada!

Se ao cidadão comum, ignorante como eu, em muitos casos, o desconhecimento de determinada lei não isenta e/ou não atenua a pena, o que dizer de quem deveria conhecê-las a fundo? Ou já existe uma desculpa que serve como jurisprudência para o não cumprimento de uma determinação constitucional? Se existe, por favor, publiquem no D.O.U., mandem cópias para os veículos de comunicação e postem nas redes sociais! A gente precisa conhecer essa brecha legal!

Acredito que a maioria começaria usando essa brecha na hora de pagar os impostos, taxas e tributos abusivos que os Governos nos extorquem diariamente! Usaríamos a mesma lógica: “Eu sei que é isso que a lei determina, mas não tenho como pagar esse valor”! Pelo menos, assim, equilibraríamos a balança!

E, aproveitando o assunto, já que não pagam o salário legal e cobram tantos impostos, o que é feito com o nosso dinheiro, afinal? E, por favor, não me venha falar em investimentos em Saúde e Educação! Continuemos a conversa sem menosprezar a inteligência do povo! Ser ignorante é uma coisa e ser burro é outra!

É por falta dessa resposta, Presidenta, que as pessoas foram às ruas do País protestar! Esses ignorantes que usam o SUS e frequentam escolas públicas, estão cansados! Os ignorantes que não usam e não frequentam, também! Uns por pagar e não receber em troca! Outros, por nem terem com que pagar!

Agora, dona Dilma, que o povo acordou e as Eleições estão quase às portas, a senhora vem falar em Pacto Nacional? Como eu vou acreditar nisso, se nem mesmo a Constituição Federal é respeitada?

A senhora viu, Presidenta, que partes de algumas das nossas cidades foram arrendadas à Fifa e o que o direito de ir e vir foi jogado no lixo, para favorecer a quem ia aos estádios? Soube que pessoas foram desalojadas e ficaram sem ter onde morar, para que nossos estádios virassem arenas? Assistiu à truculência da polícia contra manifestantes pacíficos?

Já pensou, a senhora, se essas pessoas estivessem em um nível de revolta capaz de levá-las a empunhar armas, assaltar bancos, sequestrar políticos e fazer atos de terrorismo? Como seria, Presidenta, a sua atitude? Mandaria reprimi-las com veemência, ou acordaria aquela garota revolucionária de outrora e iria ás ruas com eles?

O que esse povo quer, em essência, é respeito! Cansou de ser desrespeitado em todos os níveis da política nacional! Municipal, estadual e federal! Que tal começar por ai? Pelo respeito? Cumprindo as promessas de campanha, fazendo um governo de contas transparentes, punindo a corrupção impiedosamente, enfim, cumprindo as leis?

Talvez, fazendo isso, o governo volte a se aproximar do povo! Talvez, isso ocorrendo, o povo volte a crer nos governantes!

De todo modo, estaremos nas urnas em 2014! E, espero com fervor, com o mesmo espírito que nos levou às ruas!

Grato pela atenção!

SENHOR ARNALDO JABOR


Senhor Arnaldo Jabor, aqui vos fala alguém que, primeiro, buscou conhecer um pouco sobre o que pretendia comentar, para não correr o risco de ser tão vilipendioso quanto o senhor o foi ao tratar esses manifestantes! Pelo contrário! Lhe darei a importância que tens, através das suas obras!

Quando o senhor pensou que era ‘O Circo’ que estava nas ruas, não levou em conta ‘A Opinião Pública’ dessa nação ‘Pindorama’ e achou que era um movimento nu de propósitos sérios! Assim, como ‘Toda Nudez Será Castigada’ e o senhor não viu com bons olhos ‘O Casamento’ da idéia com a ação, deve ter pensado que estava ‘Tudo Bem’ em descer o malho na galera das ruas!

O que o senhor não percebeu é que eles diziam ao País ‘Eu Te Amo’ e ‘Eu Sei que Vou Te Amar’! Que aquela multidão não estava ali fazendo ‘Carnaval’, embora estivesse nas ruas com ‘Suprema Felicidade’!

Então foi à TV e soltou o verbo, esculachando! Normalmente ‘Os canibais estão na sala de jantar’ nesse horário, e devem ter adorado! Mas nesse jantar não cabiam ‘Sanduíches de Realidade’ e não era justo dizer que aquela multidão, como se fosse ‘A invasão das Salsichas Gigantes’ estava certa!

Ora, mais! Estavam todos ali por Amor ao País, com a animação de um sexo gostoso! E o senhor sabe: ‘Amor É Prosa, Sexo É Poesia’!  Então o que havia nas ruas, senhor Jabor, era prosa e poesia populares! Não uma ‘Pornopolítica’!

Agora que caíram de pau na sua arrogante ignorância, vem o senhor na base do ‘Eu Sei Que Vou Te Amar’ querer engrupir os ‘Amigos Ouvintes’?

O senhor realmente está arrependido, ou ‘A paranóia está batendo’?

Ah! Não carece responder! Também sou do tipo que merece vilipêndio, como todos os demais!

quarta-feira, 29 de maio de 2013

RIMANDO AMOR E COR!


UM MACULELÊ PRA ZILDA PAIM!



E um dia no massapê de Sant’Amaro
E um dia no massapê de Sant’Amaro
Uma mulher cheia de garra deu de nascê
Honrou seu povo, fez da sua vida história
E imortalizou nos seus livros o tal do maculelê
E escreve lá que eu leio de cá
O tal do maculelê
E conta essa prosa que eu quero vê
A força do teu sabê!
É tanta história que vem de você
Não é só maculelê
Fala do meu povo que eu quero sabê
Meu povo do massapê
Fala do meu povo que eu quero sabê
Meu povo do massapê

Minha mãe Nossa Senhora
O meu pai é Sant’Amaro
Sabe quem me disse assim?
Foi sinhá Zilda Paim!
Sabe quem me disse assim?
Foi sinhá Zilda Paim!


PASSEIO


Pingo
Pinga

Pousa
Pétala

Para
Pesa
Percorre
Pende

Pinga

Pingo

Pequena
Poça
Pálida

PONTO A PONTO


quinta-feira, 16 de maio de 2013

FALE-ME DE MIM!


Foi bom ficar tanto tempo
Sem cruzar o seu caminho!
Foi bom por muito tempo
Você, de mim, nada saber!
Mas, agora que te encontrei,
Fale-me de mim!

Conte-me sobre como eu fui,
Os lugares onde eu andava,
As pessoas com quem saia!
Deve ter uma boa história!
Busque na sua memória!
Fale-me de mim!

Será que eu reconhecerei,
Nesses fatos da sua fala,
Algo até parecido comigo,
Com esse que me tornei?
Você que tanto me conheceu,
Fale-me de mim!

Conte-me coisas da juventude,
Sobre as nossas conversas...
Quais eram minhas atitudes?
Já fui prenúncio do que sou?
Sabes onde foi que tudo mudou?
Fale-me de mim!

Não poupe sequer um detalhe!
Se foi bom, me fale sorrindo!
Se não foi, até me avacalhe!
Só não me negue esse favor,
Agora, que estou perto do fim, 
Fale-me de mim!

segunda-feira, 15 de abril de 2013

MAIORIDADE PENAL


Como a todo instante me surge a pergunta “MAIORIDADE PENAL PARA 16 ANOS, VOCÊ APÓIA?”, vou responder de uma vez:

NÃO! NÃO APOIO DE FORMA ALGUMA!

Todo menor tem um responsável! Em última instância, o Estado!  E é ai que mora o problema maior!

Temos um Estado irresponsável e incompetente! Um estado que sucateou a Educação, que gasta mais que arrecada, que cria sistemas paliativos e paternalistas para fingir que acabou com a miséria, que está infestado de corruptos em todos os âmbitos e poderes, que remunera mal profissionais da área de Educação, Saúde e Segurança Pública, que não possui uma política eficiente para tirar os jovens das ruas, das drogas e da criminalidade.

Reduzimos hoje a maioridade penal para 16 anos e o que vai acontecer? Nada além de mais prisões!

Temos uma política penitenciária eficiente, que recupere o cidadão para a sociedade? Não!

Temos um sistema carcerário capaz de manter a dignidade humana para que isso ocorra? Não!

Os jovens com idade inferior a 16 anos vão ter a possibilidade de ter oportunidades para que não sigam o mesmo caminho de criminalidade? Duvido!

A marginalidade organizada, que age mesmo de dentro dos presídios, vai deixar de utilizar jovens menores nas suas ações? Também duvido!

Começamos com 16, depois 14, e em breve estaremos prendendo nos berçários, como política preventiva!

Óbvio que os crimes cometidos por menores existem e estão aumentando! A nossa legislação é como um quebra-cabeças de peças que não se encaixam! Temos um código Penal caduco, um Estatuto da Criança e do Adolescente que ‘passa a mão na cabeça’ dos menores deliquentes e favorece a impunidade. Um professor não pode reclamar com um aluno que é constrangimento ao menor! Um menor agride um professor e não dá em nada!

Mas nada disso justifica a redução da maioridade penal! Pelo contrário! Só serve para mostrar que estamos cometendo um erro atrás do outro, com medidas mal pensadas e com falta de ação na evolução das leis e dos processos legais.

Em setembro de 1981, ainda estudante de Direito, estive em Brasília para o I Congresso Brasileiro de Política Penal e Penitenciária, que reuniu os maiores expoentes nacionais a fim de modificar e atualizar essas questões. Hoje, quase 32 anos depois, nada mudou efetivamente.

Talvez se os corruptos não tivessem tanta certeza da impunidade que os favorece historicamente, os presídios fossem locais melhores!

Algumas das propostas lá apresentadas me são simpáticas até hoje:

- O fim da primariedade para crimes de morte. (Sempre me deu a sensação de que todo brasileiro tem direito a um primeiro crime. O problema é que não existe morto primário! A vítima não terá uma nova oportunidade);

- O fim de qualquer atenuante ou benefício para os crimes de morte (Afinal, não haverá benefício algum possível para a vítima);

- Parente próximo do arrependimento eficaz, propuseram a “reversibilidade do ato criminoso”. (Quem rouba e devolve, teria uma pena menor que aquele que rouba e não devolve, num exemplo bem raso);

- A penalização do crime de acordo com o ato cometido, independente de idade (Com exceção àqueles comprovadamente desprovidos de capacidade de identificar estar cometendo um ato criminoso);

- A obrigatoriedade do exercício de uma atividade remunerada a fim de aprender um ofício, ressarcir parte dos custos do Estado com a sua manutenção e garantir recursos para os filhos menores (caso os tenha) - O que encerraria a polêmica questão do Auxílio Reclusão (Afinal, se um trabalhador honesto pode viver com um salário mínimo, porque não um detento? Além do mais, diz o INSS que benefício é somente para quem não tem capacidade laboral!).

Trazendo essas ideias para o âmbito do menor de 18 e maior de 16, as minhas propostas seriam:

- Manter a primariedade e tratá-lo como menor dentro dela (exceto em crimes de morte);

- Perda desse benefício na reincidência;

- Possibilidade da “reversibilidade” em crimes contra o patrimônio, sem vítimas;

- Presídios escola (como os antigos internatos) com cursos profissionalizantes obrigatórios (sem benesses por estar estudando), sem transferência para os presídios comuns até a conclusão do curso (exceto se houver risco para os demais internos);

- Manutenção do detento, após transferência, no seu ofício (a não ser que ele opte por aprender mais um ofício); 

No entanto, uma coisa é certa: Construir escolas é mais barato e efetivo que construir presídios! Um aluno do ensino fundamental ou médio, custa menos ao Estado que um presidiário!

Sei que essa é uma questão de médio e longo prazo! E que, obviamente, muitos querem soluções imediatas! Porém a redução da maioridade penal não é uma solução! Apenas adiaremos o problema até que esses adolescentes terminem de cumprir suas penas e saiam para engrossar as fileiras dos 70% dos ex-detentos que retornam à criminalidade, enquanto estaremos enviando novas levas de jovens para substituí-los nas penitenciárias.

Mais educação e menos corrupção! Essa é a solução! E parte dela depende de nós, pois ninguém chega ao Congresso Nacional se não pelo voto!

Podemos reclamar e cobrar atitudes! Temos esse direito! Mas não podemos nos eximir da culpa de escolher mal e repetidamente os nossos representantes!

Em resumo: É sempre mais fácil se livrar do cachorro que catar todas as suas pulgas! Mas não adianta usar este antitérmico legal e baixar a febre dos anseios imediatistas, enquanto a doença vai permanecer debilitando toda a sociedade!

Agora, se for uma questão de ter que ver alguém na cadeia, prefiram ver por lá todos que estão a permitir, há décadas, que tenhamos chegado à necessidade de tal debate!

Marco Valladares.
Santo Amaro/BA, 15 de abril de 2013

sábado, 23 de março de 2013

LING LING

“Me dê 300,
Pr’eu comprar pão de 200
E eles me voltá 500”!

Desde menino
O filho do velho Ernesto
Sempre trabalhou honesto
Já de cedo labutou

Sorriso aberto
Sol a sol na sua luta
Pelas ruas da cidade
Ling Ling é o senhor

“Me dê 300,
Pr’eu comprar pão de 200
E eles me voltá 500”!

E se um safado
A ele grita “olha o cágado”
Perde logo a estribeira
Voa pedra sem pudor

Mas é ordeiro
É pacato, é do bem.
Reconhece todo mundo
“Ói o filho de alguém”...

“Me dê 300,
Pr’eu comprar pão de 200
E eles me voltá 500”!

Em Santo Amaro
Todo mundo lhe conhece
Capina, lava e varre!
Também é bom catador!

E é pra ele
Ícone da minha terra
Que esses versos encerram
Meu carinho e louvor!

“Me dê 300,
Pr’eu comprar pão de 200
E eles me voltá 500”!

sexta-feira, 1 de março de 2013

BENDITOS MALDITOS



Itamar Assumpção, Jorge Mautner, Jards Macalé...
Walter Franco, Sérgio Sampaio, Arrigo Barnabé...
Se você não consegue mergulhar fundo nessa maré,
Fica na areia! Pois essa água, pra você, não dá pé!