terça-feira, 30 de outubro de 2012

ESQUIZOFRÊNICOS



Tem dias que, para mim,
Não há coisa mais esquisita
Que essa esquizofrenia coletiva
Que faz com que eu exista!

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

LEVITANDO


Ando flutuando todo o tempo!
Ao seu lado, estou nas nuvens,
Sem você, me sinto sem chão!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

POLÍTICA DO PEIDO

A política no Brasil está igual a peido em elevador! Todo mundo sabe que está fedendo, ninguém assume a culpa, todos se olham acusadoramente e sempre aparece quem aproveite a carona do peido alheio para peidar também, sem se sentir culpado!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

CORAÇÃO CRETINO














Aquieta-se, coração cretino,
Que teima em querer um destino
Que não é nem meu, nem teu!

Aquieta-se, coração cretino.
Não me sejas assim mofino,
Porquanto meu sonho pereceu!

Aquieta-se, coração cretino,
Traiçoeiro, sorrateiro, ladino...
Comporta-te, pois és meu!

Aquieta-se, coração cretino.
Que este, que ainda vês menino,
Já, há muito tempo, envelheceu!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

ENQUANTO A CIDADE DORME














Sempre há quem conforme,
Enquanto a cidade dorme.

Sempre há quem deforme,
Enquanto a cidade dorme.

Sempre há quem informe,
Enquanto a cidade dorme.

Sempre há quem reforme,
Enquanto a cidade dorme.

Sempre há quem transforme,
Enquanto a cidade dorme.

Enquanto a cidade dorme,
Nem toda a cidade dorme!

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

MAR DO DESEJO


Navego, eu, tranquilo, o mar do desejo,
Guiando-me só pelo gosto do seu beijo!
Ele, estrela vinda do céu da boca tua,
Ilumina mais meu rumo que a plena lua!
Na minha boca cintila, arde, tão quente,
E me orienta a prosseguir! Em frente...

Se, contudo, desnorteia-me e embriaga,
Também me dá o rumo! Não temo vaga!
Que venham ondas! As mande, Tritão!
Em cada novo beijo renovo a sensação
De que nessas águas risco não haverá!
Guio-me teu beijo! Melhor guia, não há!

terça-feira, 7 de agosto de 2012

TEMPO


Deixei o tempo à toa
Por muito tempo
E ele passou...
Sem olhar o tempo,
Perdi tempo,
Perdido no tempo.
Não deixo mais
O tempo sair sozinho,
Nem me levar pela mão!
Levo o tempo comigo,
Ciente no tempo e a tempo,
Que sou eu quem faz dele
O meu melhor amigo ou
O mais cruel inimigo!


segunda-feira, 6 de agosto de 2012

INTER ROGAÇÕES


Por vezes me pergunto...
Na maioria nada respondo...
Sei tão pouco de mim
E fico sempre a perguntar
Coisas à pessoa errada!
Quem menos sabe de mim,
Sou eu!

sábado, 24 de março de 2012

TUDO A VER!

EU E AS MURIÇOCAS!

Os seres mais insuportáveis do mundo são as muriçocas! Não somente por aquele ruído insuportável no pé do ouvido, mas, e principalmente pelo seu poder de adaptação aos inseticidas!

Desisti de usar sprays! Elas já estavam chegando de lenço nas mãos e pedindo: “Aê, tio, bota um pau preu cheirar também “!


Tentei usar aqueles antigos espirais tipo ‘Sentinela’, ‘Aladim’ e tantos outros. Elas apareceram com uma mangueirinha e transformaram o troço em narguile!


Sem contar que as danadas estão fazendo curso na FAB e estão atacando em esquadrilha!


Por isso, antes que eu fique anêmico de tanto perder sangue para elas, tomei uma decisão drástica: Vou encher a cara antes de deitar para dormir!


Além de não sentir as picadas, nem ouvir o barulho delas, ainda terei uma vingança: Morrerão todas de cirrose!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

NÓ (MARILIA ABDUANI)


Escuto o cantar do galo
abrir as portas do dia.
À revelia amanhece
em mim, a antiga alegria.
Um vento bom sopra leve,
mas uma rosa se despe
e a passarada espia.

Meu coração abre os olhos.
Lacrimeja a minha infância,
lembrança de pura luz:
o meu tempo de criança.
Aspiro o ar da saudade,
toda a antiga liberdade
que a velhice não alcança.

O que não tenho ainda aflora
em mim,como antigamente.
A mãe, café e fogão,
o pai, a voz, o violão,
a lua das noites quentes.
O sonho, o verso e a canção
num jogo de amor e mente.

Hoje, oxida a alma
no corpo já velho e só.
O cansaço vence a calma,
a nódoa do esquecimento
transformando o ouro em pó.
Um fio de pensamento
ata as migalhas do tempo
na teia do mesmo nó.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

UUUU...

No início do uivo!
No meio da rua!
No centro da lua!
No fiel que equilibra o louco!
Uuuu...