segunda-feira, 30 de maio de 2011

LUSCO-FUSCO

O lusco-fusco do entardecer me enche de uma densa melancolia, como sem saber se entendo como pode a luz ser quem anuncia o nascer da noite, mas também a morte do dia!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O FERIADO DA MORTE

Certa feita me apareceu
Essa tal da Dona Morte,
Achando que eu estava,
Quem sabe, de bobeira!

Veio chegando perto,
Pisando de mansinho,
Olhando meio de banda,
Andando bem sorrateira!

Bateu leve no meu ombro,
Como se me conhecesse,
E me disse bem baixinho:
“Siga esta companheira”!

Olhei-a dentro dos olhos
E, para seu maior espanto,
Respondi-lhe de pronto:
Mas qual! Deixe de asneira!

Para mim não é a hora!
Siga seu rumo, vá embora,
Qu’eu ainda tenho muita vida
Pra formar uma vida inteira!

A Morte, então, ficou séria;
Segurou-me forte no braço,
E, quase aos gritos, falou:
“Me irritas sobremaneira”!

Nem se irrite, nem reclame,
Disse eu sorrindo da morte,
Todos erram nessa vida.
E errastes! Que besteira!

Ela então ficou parada.
Pensou, pensou e disse:
“Nunca perdi uma viagem
E não será esta a primeira”!

Relaxe, disse-lhe eu!
Assim você amofina!
Come um acarajé em Amaralina,
Ou toma um sorvete na Ribeira!

E lá se foi Dona Morte,
Pela primeira vez na vida,
Tirar todo um dia de folga,
Para curtir uma tarde faceira!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A BOCA DA MEMÓRIA

Vez por outra vem à boca da memória
Doces sabores de momentos idos...
Então o paladar da alma se aguça
E segue degustando a saudade,
A vontade de reviver o tempo ido.

Mas à boca da memória vem também
Os gostos amargos do que passou...
Aí a alma trava o fundo da garganta
E tenta rejeitar este sentimento,
Sem vontade de reviver o tempo ido.

O certo é que da boca da memória,
Caia doce ou amargo em minh’alma,
Surge sempre um breve gosto de sal,
Do mar das ondas de toda uma vida,
Que ligeiro brota aos olhos meus...
E, como liquefazendo a alma minha,
Escorre-me pela face envelhecida!

Nem sei se pelo que não mais tenho,
Ou se por aquilo que jamais terei...
À boca da memória também surgem
Sabores que eu jamais provei!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

SEMENTE ADOLESCENTE (Lívia de Almeida Santana)


Sou poeta, sou capaz de tocar seu coração...
Sou cantora que canta o que sente...
Sou semente!
Alguém tentando descobrir a vida, o amor e a alegria...
A vida e tudo que nela existe, mas às vezes me sinto triste...
Não importa o que digam ou que pensem sobre mim...
Sei o que quero e o que não quero!
Amigo não precisa de muitos...
Sou feliz do jeito que sou, e nada vai me mudar!
Quero viver, tenho sede de sentir o sabor gostoso da vida...
Quero ser livre pra ser feliz!
Sou uma musica que é cantada por alguém em algum lugar...
Quero amar sem ter medo e desvendar o segredo de amar!
Não sou perfeita, muito menos imperfeita...
Sou corpo e mente, sou calma e louca...
Sou tudo e nada, partida e chegada...
Sou semente!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

AÇÃO OUTRO FUTURO (Leia e divulgue!)



Provavelmente você não identificará se eu falar de Carlos Leoni Rodrigues Siqueira Júnior, mas, com certeza, se você pertence à minha geração ou, ainda que seja mais jovem, goste de boa música, conhece Leoni. Ex-integrante do Kid Abelha e dos Heróis da Resistência, e autor de sucessos como Garotos, Garotos II, Fixação, Só pro Meu Prazer, Como eu Quero, Exagerado, Doublé de Corpo e A Fórmula do Amor.

Pois é este Leoni o mentor do projeto AÇÃO OUTRO FUTURO (no Twitter: @AOutroFuturo ) que arrecada em seus shows: alimentos, roupas e outras necessidades. Sempre voltados a quem realmente precisa de ajuda. Mas o melhor é que você mesmo conheça! Um clique na imagem acima lhe levará ao blog!

E uma grande forma de colaborar é bem simples: Ajudando a divulgar!

Eu, desde já, agradeço a sua colaboração!