sábado, 12 de março de 2011

MENINO SINGULAR

Menino, menino, menino!
Nem sabes o quão grande
És pra que eu queira te adotar.
Menino qu’eu conheço o rosto,
Mas não sei o cheiro e a voz.
Menino que eu leio e gosto.
De quem ouvi letra elogiada!
Chamado poeta pelo parceiro,
Que disse não serás, o és!
Menino que eu leio e admiro,
Que é singular além do nome.
Nome que confere a marca
De quem surge para marcar.
Nunca desassogues, menino,
Que o sossego é traiçoeiro
Pra quem se busca inteiro!
Vai e vai-te sem pudor.
Vai e erra um bom bocado,
E acerta noutros tantos.
Vai e cresce sendo menino.
Depois, menino crescido,
Senta-te aqui comigo,
Vamos conversar!
Tire esses sapatos,
Pegue uma almofada
E sinta-se em casa!
Pode demorar…

2 comentários:

Marco Antonio Araujo disse...

Estou honrado e emocionadíssimo com a homenagem.

Incrível como você consegue agregar tantas coisas boas, mesmo com tão pouca informação e ainda assim traduzir da melhor forma possível.

Muito obrigado seria inócuo.

Marco Antonio Araujo disse...

Estou honrado e emocionado com isso.

Fantástico como você consegue encontrar meios, agregar características, mesmo com tão pouca informação, e ainda assim descrever, até traduzir da melhor maneira possível.

Acho que um muito obrigado seria inócuo demais para demonstrar o que sinto neste momento.