quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

RECONQUISTA

Posso desistir de tudo.
Tudo é tanto...

É tão demais,

Que a mim não cabe.

Desisto, pois.

Não quero mais nada.

Ou melhor seria dizer

Que nada mais quero.

De que me vale querer

Se quando consigo

Dou logo de perder?

Então, desisto.

Isto posto,

Ponho-me de lado

E recolho-me.

Enfurno-me.

Isolo-me até de mim.

No entanto,

Por não seres tudo,

Por não seres nada,

Por não seres tanto,

Por seres mais que isso,

Por seres mais que mais,

Por seres mais que concebo,

Por seres-te,

De ti não desisto.

Jamais desistirei.

Ainda que não possa eu,

Contigo, agora,

Conjugar as almas,

Conjugar os corpos,

Conjugar o verbo amar,

Guardo a esperança

De, um dia,

Voltar a ter

Borboletas no olhar!

domingo, 14 de fevereiro de 2010

REI

Que rei sou eu?
Sem súditos, sem reino, sem trono e sem rainha?
Que rei sou eu?
Sem coroa, sem castelo, sem exército e sem corte?
Que rei sou eu?
Sem anel, sem selo, sem brasão e sem tratados?
Que rei sou eu?
Sem cetro, sem bobo, sem manto e sem conquista?

Que rei eu sou?

O soberano de lugar nenhum, que nada comanda?
Que rei eu sou?
O derradeiro herdeiro de um império inexistente?
Que rei eu sou?
O senhor absoluto de absolutamente nada?
Que rei eu sou?
O comandante sem liderados e sem guerra?

Eu sou que rei?
O de um tabuleiro vazio?
Eu sou que rei?
O de um carnaval em luto?
Eu sou que rei?
O de um baralho sem naipes?

Eu sou que rei?
O mago sem estrela guia?

Que rei sou eu?
Que rei eu sou?
Eu sou que rei?

Nem eu sei!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A SAUDADE E EU

Eu nem sei mais sentir saudades...

Como uma dor crônica, com a qual acabamos por conviver pacificamente, a minha saudade já se entranhou tanto em mim que ficou desassistida. É como o respirar. Se nos perguntam como respiramos, se faz necessário parar para atentar a uma coisa que nos faz viver, mas à qual não observamos racionalmente. Minha saudade está assim. Não a percebo, por estar intrínseca em mim. Mas tenho a certeza de que me faz viver!


E eu continuo assim: Amando-te infinito!