quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

CENA VAZIA

E é este o meu cenário:
Uma taberna a beira mar,
Eu na mesa dos fundos,
Uma caneca de vinho
E um copo de cachaça.
Na mesa bem ao lado,
Um pirata mercenário;
Caídos no balcão do bar,
Dois bêbados imundos;
E vendendo carinho,
Uma puta sem graça
Finge cantar um fado.

É neste belo ambiente
Que para você escrevo,
Fingindo sentir desdém,
Em um papel gordurento,
Uma breve carta de adeus
Deste alguém que existiu.
Imagino o que você sente,
Lendo-a com certo enlevo,
Ainda me querendo bem;
E uma ponta de lamento
Virá aos pensamentos seus
Por lembrar que desistiu.

Mas para que tanto sonho
De carta, cenário, sentir...
Para que serve tudo isso
Se não passa de ilusão?
Não há vinho ou taberna;
Nem leitura, tampouco!
Não há nada que suponho.
De nada me serve fingir.
Preciso livrar-me disso
E por meus pés no chão.
Ou a dor que me governa
Irá deixar-me mais louco.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

TOLO

Continuo crendo no amor!

Acredito em tanta bobagem...

IDADE

Embora tenha vivido ainda pouco diante dos meus desejos e anseios, por vezes sinto estar vivo a tempo demais, pelas dores que já senti.

Assim, vou-me, eu, a seguir, sem saber ao certo a minha idade. Se a da certidão, a do querer ou a do sofrer.

Talvez, por isso, às vezes tão velho, às vezes tão menino e, noutras, tão somente eu.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

CONJUNTO DESUNIÃO


Não!
Não busques, nem queiras, o meu perdão.
Não há o que perdoar, pois erros não houve.
Acreditas que os cometestes?
Que te leva a tal pensar?
Não!
Não houve erros!

Minto!
Minto e confesso mentir!

Eu errei!
Eu cri! Eu, ingenuamente, cri!
E na crença, na fé imbecil, errei!

Por isso mesmo te suplico: cuida-te!
Cuida de estar bem distante de mim.
Cuida de não se aproximar.
Cuida da distância segura.
Foge do perto de mim.

A minha raiva de mim mesmo,
O ódio da minha imbecilidade,
O asco que nutro do que se fez,
Faz-me perigoso para ti.
E para quem mais houver.

Esquece-me. Foge!

Simplesmente apaga-me.
Embacia, empana, ofusca,
Deslustra, esquece de mim!

Não sabes, e eu mesmo não sei,
Quão mal pode ser todo o bem
Transmudado em inverso,
O universo de perversidade
Que está contido e pulsante;
Que contém este meu eu,
Indesejado e cruel,
Conjunto desunião!

Vai-te. E não olhes para trás.
Não vale a pena!

domingo, 10 de outubro de 2010

DESABAFO DE DOMINGO

O Art. 122 do Código Penal Brasileiro diz que "Induzir ou instigar alguém a suicidar-se ou prestar-lhe auxílio para que o faça" é crime. A pena é de reclusão, de dois a seis anos, se o suicídio se consuma; ou de um a três anos, se da tentativa de suicídio resulta lesão corporal grave.

Aí vem a minha questão: Porque legalizar o "auxílio aborto" e não legalizar o "auxílio suicídio"? Ao menos o suicida quer somente a morte dele!

A revisão das Leis brasileiras urge! Pesquisas e plebiscitos já passaram da época de serem feitos. A sociedade mudou e as leis estancaram. Nossa Constituição é quase toda dependente de regulamentações e é desrespeitada pelo próprio Governo. Vide 'Salário Mínimo'. No entanto os legisladores são eleitos pelo q fazem p/ suas regiões, ou pela fama em outros setores. Legislar, que é bom, só em causa própria.

Precisamos de legisladores competentes, cientes da sua função na Sociedade. Mas, ao ver a formação do novo Congresso Nacional, só em 2014!

E ainda vem um bando de babacas falar em voto nulo e outras idiotices! Que Serra é isso e Dilma é aquilo. Vendo o Brasil pelo próprio umbigo.

Estou de saco cheio dessa gente babaca e mesquinha que elege e é eleita! Da busca do poder pelo poder e do voto mendigo! Que Brasil é esse? A frase de Caetano no desabafo do festival de 67 ainda vale. "Se é essa a juventude que quer tomar o poder, estamos feitos"! Bendita ironia!

Orkut, twitter e afins estão cheios de frases preconceituosas, bullings e outras aberrações. Sou a favor da liberdade de expressão, mas tudo tem limite.

A coisa que aqueles que detestam a democracia mais apreciam é a falta de limites. Logo se oferecem para por ordem na casa. E se adonam dela!

Não quero sair de uma ditadura para ver se abrir caminho para outra. Já se fala contra a liberdade de imprensa. É preciso tomar cuidado!

Mas isso foi só um desabafo de domingo. Não precisam se preocupar. Pode não ser assim! Pode ser muito pior!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O PAI (MÁRIO AUGUSTO VALLADARES SOUZA)

"Adeus Pai!
A Deus, Pai!

Ah! Deus Pai, receba com carinho este seu filho, meu pai.

Receba-o com o amor e unicidade que cada filho merece.

Quem é pai sabe, cada filho é único.

Não o deixe perdido neste novo e eterno lar.Leve-o para ver seus parentes terrenos.

Peça a minha vó Mariinha para acolhê-lo no colo e acarinhá-lo como o fez quando ele nasceu.

Aí pode ter festa? Acredito que sim.

Apesar dele ser meio arredio a festas, façam uma para recebê-lo

Convide todos os parentes e amigos que aí já habitam.

Tia Líbia, cuida dele como irmã mais velha, para que ele não tenha medo de fantasmas como tinha quando criança pequena dormindo sozinho no corredor.

Tio Moacy, ensinai-o as coisas da vida celestial, como ensinastes as coisas da vida terrena.

Meus queridos primos e primas que aí se encontram, Tio Mau chegou. Matem a saudade.

Aliás, não a matem. Deixem-na aqui conosco fazendo companhia à dor e ao vazio da sua ausência.

Assim como o amor cresce a cada dia, espero que a dor da perda vá diminuindo, pelo menos até ficar suportável.

O tempo dirá.

Pai, descanse em paz. Você merece.

Vou cuidar dos meus filhos agora.

Se eu conseguir ser para ele o pai que fostes para mim, terei cumprido com louvor esta missão de ser pai.

Segue este seu novo caminho.

Beijo. Até um dia".

Lindo texto escrito por meu irmão, MÁRIO AUGUSTO VALLADARES SOUZA, para o nosso pai, MAURÍCIO SANTOS SOUZA, e para o nosso Pai!

sábado, 7 de agosto de 2010

A CÚMPLICE (JUCA CHAVES)


Eu quero uma mulher
Que seja diferente
De todas que eu já tive,
De todas tão iguais
Que seja minha amiga,
Amante, confidente,
A cúmplice de tudo
Que eu fizer a mais.
No corpo tenha o Sol
No coração a Lua
A pele cor de sonho
As formas de maçãs
A fina transparência
Uma elegância nua
O mágico fascínio
O cheiro das manhãs.
Eu quero uma mulher
De coloridos modos
Que morda os lábios sempre
Que for me abraçar
No seu falar provoque
O silenciar de todos
E seu silêncio obrigue
A me fazer sonhar
Que saiba receber
Que saiba ser bem-vinda
Que possa dar jeitinho
A tudo que fizer
Que ao sorrir provoque
Uma covinha linda
De dia, uma menina.
À noite, uma mulher.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

DOR_MENTE

Às vezes a dor doe tão profundamente, que nos anestesia, entorpece! Assim como se a dor quisesse nos pedir perdão por doer tanto!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

BRAÇOS DE PAI

É um sentir estranho que me dá
Por dentro do dentro de mim.

Tão fundo do mais fundo que há,

Que é assim um fundo sem fim.


É uma dor que me abriga da dor,

Um aceitar quase sem aceitação,

Um rebuliço que vai onde eu for,

Por que mora no meu coração.


É esta saudade tão novinha

Que eu nem sei como cuidar...

Mas que agora é tão minha

Que eu sei que veio para ficar.


Mas do seu amor é tão cheia

Que não me causa nem um ai.

Envolve-me e protege numa teia,

Como fossem teus braços, pai!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

OLHAR POETA

Aquele que encontra, na poesia escrita por outro, a beleza bordada na trama das palavras, é tão poeta quanto aquele que a escreveu!

terça-feira, 8 de junho de 2010

MINHA FÉ!

O amor é minha religião. A música é a minha maneira de rezar. E o Deus que eu acredito, está sempre sorrindo para mim!

Love is my religion. Music is my way of praying. And the God I believe, is always smiling at me!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

A LOUCA

Ela caminha torpe, na corda bamba,
Esticada sobre o abismo da afrenia.
E grita, e aponta, e acusa, e chora...

Balança desequilibrada, sem fiel...
Ela é infiel a si mesma, à tal ética
Que pregava firme aos ventos...

E corre aqui e ali, e vai, e vem...
O mundo todo é culpado disso
Que nem ela mesma sabe o que.

E faz, do teatro, um circo vazio,
Onde, como se fora, cada ser,
Um palhaço, espelho de si...

E brada rancor, ódio, fúria...

E clama por vingança vã...
E acorda no seu mundo vazio.

Depois, volta ao antes...
E antes de depois, cai.
Pra nunca mais levantar.

URUBU DE JORNAL

O filho de fulana foi preso...
A mãe de sicrano morreu...

Acharam um corpo no lixão...


E você logo corre,

E depressa noticia

Em primeira mão!


Depois, você volta a falar

Em nem sei quantas facadas,

Ou quantos corpos nas estradas...


Pouco lhe importa o nome.

O importante é contar logo,

Se a tal tragédia for fatal!


E eu só queria saber

Se é idiotia ou prazer

O que lhe move a tal!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O QUE UMA CONVOCAÇÃO EQUIVOCADA DA SELEÇÃO BRASILEIRA PODE PROVOCAR EM UMA PESSOA NORMAL (COMO, POR EXEMPLO, EU)!

Agora só resta a Dunga trazer o caneco para provar que está certo na sua escolha. (Por volta das 17h do dia 11/05/2010).

Não se permite outra opção ao desprezar craques em ponto de bala para convocar jogador reserva no seu time e outro que pode não ter condição de jogo...


Mas como em um torneio desse porte, tudo é possível (lembram do Josimar, do Botafogo?), quem sabe...


Só de birra também deixou de fora Mestre, Zangado, Dengoso, Atchim, Soneca e Feliz!


Me preocupo deveras ao lembrar os nomes de peças fundamentais para o chimarrão e o churrasco do gaúcho Dunga: Bomba e espeto!


Peço, encarecidamente ao pessoal de Portugal, Costa do Marfim e Coréia do Norte que parem de rir! Não vejo a menor graça...


No caminho do hexa, alguns hexagramas entravam o sonho: sacana, beócio, bronco, inútil, careta, tapado, frouxo, vulgar...


Vou torcer, berrar, vibrar... Mas não gostei da convocação e vou reclamar muito, mesmo!


Como eu já disse: Agora tem obrigação de trazer o caneco e provar que está certo. Não tem outra opção.


Já desabafei, protestei, xinguei e o escambau! Mas já está feita a convocação. Fato! Agora só me resta uma coisa sensata a fazer: torcer!


E ninguém me venha com esse papo de que a Copa vai embotar o processo eleitoral. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa.


Se eu só torcesse com a certeza de vencer, não era torcedor do Bahia!


E chega de falar de Seleção Brasileira!


Como eu estava dizendo, mudemos de assunto.


Classificaremos em primeiro ou em segundo no grupo?


Voltando a não falar de Seleção, vou ver se acho uma tabela legal pra fazer download! Analisar os grupos e os possíveis confrontos.


Aqui em casa todos acham que o Brasil pode ser hexa!


Nem um votinho contrário!


E todos torcem pra que a Argentina não passe da primeira fase!


Momento café! Volto após o cigarro!


Como eu não estava dizendo, já tirei a camisa da sorte da naftalina. Me preparando para torcer!


Convocação é assunto de ontem. (Após a meia-noite)


Convocatum est!


Finitum est.


Nou is dit in Suid-Afrika!


Agora é esquecer o Dunga da convocação e torcer pelo Dunga da seleção. Em vez de chorar pelo leite derramado, torcer pra vaca ter mais!


Vou me focar no que ainda vem, pq se eu for continuar pensando na convocação, bato até na Branca de Neve, que dirá no Dunga!


Faber Castell aprova a convocação de Grafite!


Eu previa... Eu Previa... 19 de agosto de 2008 - http://marquinhovalladares.blogspot.com/2008/08/1-1-0.html


Eu não inventei! Tá no Aurélio! Dunga = O dois de paus, em certos jogos. Dois-de-paus = Indivíduo insignificante, esp. o incapaz de qualquer iniciativa.


Olha o tamanho do problema: o cara tem insônia e TOC, e encara uma convocação dessa!


De acordo com o Aurélio, a palavra dunga tem possível origem africana! Será que isso significa alguma coisa?


O desespero leva o ser humano a associações das mais estapafúrdias... A procurar chifre em cabeça de cavalo...


Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo! Vai dar certo!


Hexa = Seis. 6 na numerologia = Criatividade intelectual, imaginação, fantasia, pensamento abstrato, teoria.


Deve significar alguma coisa...


Grafite corresponde a uma das três formas alotrópicas do carbono. Cristaliza-se no sistema hexagonal regular... Olha o Grafite e hexa juntos!


Deve significar alguma coisa... Deve significar alguma coisa...


Preciso de um café urgentemente! (
Às 2h do dia 12/05/2010).

Faltam 36 dias para a Copa... 36! Noves fora, nada! Nada a preocupar ou nada a ganhar? Deuses do futebol, me acudam!


36... 2010... Hexa... Que ligação cósmica existe aqui?


2010... 2+0+1+0 = 3. Hexa = 6. 36!


Acho que estou burlando alguma regra do bom senso!


Vou tentar dormir! A falta de repouso está me afetando um pouquinho... (
Às 2h33min...).

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz


Boa tarde, neste 'day after'! Depois da tempestade sempre vem a ambulância! (
Às 12h50min do dia 11/05/2010).

Dias em que os amigos não contarão comigo, pois estarei surtado:15, 20 e 25 de junho.

E que fique bem claro: Não tenho nada pessoal contra o Dunga. Mas piamente acredito que ele tenha contra mim!

sábado, 8 de maio de 2010

VIABILIDADE

Certas verdades são tão incríveis que seria melhor mentir!

Certas mentiras têm tanta lógica que cabem melhor que a verdade!

Então, o que é mais viável: ser acreditado ou falar a verdade?

quarta-feira, 5 de maio de 2010

ESTA MULHER

Seria, então, essa mulher,
Uma gueixa pós-moderna,
Serva e senhora numa só,
Fazendo, de mim, samurai
Dos seus desejos plenos;
Um shogun sem exército,
A defender o seu prazer?

Ou seria ela, tão sublime,
Uma entidade sensual,
Uma deusa malemolente,
Abrindo as portas do peji,
Entregando seus segredos
E, em gestos sagrados,
Acolhendo este iniciante?

Talvez, até, quem sabe,
Afrodite reencarnada,
Vendo, talvez, em mim,
Seu amante Anquises,
Mortal por ela sublimado,
A quem deixou, desejosa,
Desnudar-lhe os véus?

Quiçá, loucura do tempo,
Confundindo histórias,
Aniquilando minha razão!
Colhendo do meu passado
Um hoje de pura satisfação
E, do futuro, um anseio
De puro contentamento?

Quem é, afinal, esta mulher,
Que me acolhe nos braços,
Que me envolve nas pernas,
Que me faz transcender,
Que me desnorteia e guia,
Que me abarrota de amor?
Ah! Esta mulher é você!

LEMBRANÇA (MÁRCIA ALMEIDA)


A estrada de Bom Jardim
Era sol, cor e alegria
Quando eu por ali passava
Com meu pai, meu grande amigo
A caminho da usina,
Pra ver fazer-se o açúcar
E feliz trazer pra casa
Pedaços de rapadura.
E o jardim de Bom Jardim
Era o mais lindo do mundo
Naquele tempo, pra mim.
A estrada de Bom Jardim
Tornou-se caminho da lida,
Tornou-se cotidiana,
E o sol ainda esta lá.
O jardim não é tão belo,
E as flores são meus amigos
São gente que conheci.
Bom Jardim no meu passado,
E hoje no meu presente:
A estrada é minha sina.
Meio-amarga, faz lembrar
Do meu professor da vida,
Que se foi, mas permanece
Na lembrança, e às vezes sonho
Que lá estamos na usina
E tudo é pura alegria,
Tudo é vida,
E continuo.

Conheça a autora em

http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=9738012589616944871

segunda-feira, 15 de março de 2010

MEU HERÓI

Meu herói está lutando!
Não sei se vencerá
Ou se ele irá perder...
Mas meu herói está de pé
Onde muitos tombariam.

Meu herói é tão digno
Neste seu lutar, que eu,
Impotente para lutar
A sua luta em seu lugar,
Vejo-o crescer em mim.

Meu herói de hoje
É bem maior que aquele
Que era o meu herói
De quando eu fui menino.


Aquele herói virou homem,
Tal e qual todo homem.
Mas o homem que ele é
O tornou, em mim, mais herói
Que qualquer outro herói.
O meu herói!

Meu herói é tão frágil...
Por isso rezo por meu herói.
Meu herói é tão forte...
Por isso rezo por meu herói.

Eu não sei se vencerá...
Eu não sei se irá perder...
Sei que, o meu herói,
Está lutando!
Sendo, cada vez mais,
O meu maior herói!

domingo, 14 de março de 2010

É FATO, MESTRE!

MARIA MAGIA

Uma menina...
Uma moleca...

Uma cantora...

Ludicamente total,

Soltando a voz,

O sorriso tímido,

Um talento nato!

Sucesso sem afã!


Uma cantora...

Uma moleca...

Uma menina...

Naturalmente fatal,

Brinda-nos na voz,

No sorriso lindo,

Desta filha mágica

De Sininho e Peter Pan!


Para Maria Gadu


quinta-feira, 11 de março de 2010

FRAGMENTO

Quão tolo fui eu,
Que não percebi!

Caquinho...

Um pedacinho...
Quebrado de mim!


FREEDOM?

Há quem creia na segurança de uma gaiola e desista de voar!

segunda-feira, 8 de março de 2010

MARCVS AVRÆLIVS

I-XVI.VII/II-XXVII.VII/III-XI.VII

IV-XIX.VIII/V-II.IX/VI-XXI.IX


VII-VIII.X/VIII-V.XI/IX-VI.XI


X-XX.XI/XI-IX.XII/XII-XXIII.XII

sábado, 6 de março de 2010

MULHER

Enviaram-me um belo texto de Luiz Fernando Veríssimo sobre a Mulher! Foi uma mulher que enviou! Dois dias antes do 'Dia da Mulher'! Mulher prevenida, como todas!

Perdoem-me tal pretensão, mas nada há nas palavras de Veríssimo que há muito eu não já saiba. Ainda na adolescência dava de ler ‘Capricho’, ‘Contigo’, ‘Nova’, ‘Cláudia’ e tantas outras revistas da minha mãe e da minha irmã para tentar alcançar o universo feminino. Um tanto por não conseguir andar no emaranhado das suas tramas sem me embaraçar; outro tanto por querer ser merecedor delas, de poder estar apto a retribuir o que elas, voluntariamente, ou não, me ofertavam.


E assim cresci e tantas mulheres amo (deixei de relacionar-me com algumas, mas o amor que sinto por elas é imortal) que aprendi que não devo homenageá-las em um dia único, mas em todos. Se querem parabéns por esse dia escolhido para tal, que seja: Parabéns! Mas é tão pouco que me parece imerecido. Todos os dias são o ‘Dia da Mulher’.


Eternos dias das mulheres! Daquela que me gerou e ensinou a viver... Daquela que foi professora e me ensinou a viver... Daquela que foi namorada e me ensinou a viver... Daquela que foi esposa e me ensinou a viver... Daquela que nasceu filha e que me ensinou a viver...


E, principalmente, daquela por quem o meu coração transborda, diariamente, de amor! Ainda que não o vivamos na plenitude que nós dois e o amor merecemos!


Eu, que apenas busco ser uma pessoa melhor ao conhecê-las, sei das minhas imperfeições e confesso: com certeza, se eu tivesse que ter nascido um ser humano melhor, teria nascido mulher!

DESCORADO

De tanto me acostumar a perder,

Agora dei de perder as cores...


O vermelho do caqui que aprendi...

O verde do pistache que ensinei...

O marrom chocolate do nosso amor...

O amarelo da família que sonhei...


Um dia, acabo em preto e branco,

Com o coração sem nenhuma cor.


segunda-feira, 1 de março de 2010

SONETO Nº 43

Será tão difícil entender que é você,
Só você, tão somente e unicamente,
Que em mim ocupa corpo, alma e mente;
E que (canto) “eu sem você, não tenho porquê”?

Será nosso sentimento incoerente?
Ou será que um olha e o outro não vê
A beleza disso que até mesmo Deus crê?
Seu querer me foi (ainda é) tão patente...

Fico eu, que tanto e sempre em você cri,
No desvario da cruel e vã verdade
De tal impostura que de você eu ouvi.

A quem enganas, enfim, com tal crueldade?
Àquele que ao amor infinito sorri,
Ou a este que finda com dor de saudade?


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

RECONQUISTA

Posso desistir de tudo.
Tudo é tanto...

É tão demais,

Que a mim não cabe.

Desisto, pois.

Não quero mais nada.

Ou melhor seria dizer

Que nada mais quero.

De que me vale querer

Se quando consigo

Dou logo de perder?

Então, desisto.

Isto posto,

Ponho-me de lado

E recolho-me.

Enfurno-me.

Isolo-me até de mim.

No entanto,

Por não seres tudo,

Por não seres nada,

Por não seres tanto,

Por seres mais que isso,

Por seres mais que mais,

Por seres mais que concebo,

Por seres-te,

De ti não desisto.

Jamais desistirei.

Ainda que não possa eu,

Contigo, agora,

Conjugar as almas,

Conjugar os corpos,

Conjugar o verbo amar,

Guardo a esperança

De, um dia,

Voltar a ter

Borboletas no olhar!

domingo, 14 de fevereiro de 2010

REI

Que rei sou eu?
Sem súditos, sem reino, sem trono e sem rainha?
Que rei sou eu?
Sem coroa, sem castelo, sem exército e sem corte?
Que rei sou eu?
Sem anel, sem selo, sem brasão e sem tratados?
Que rei sou eu?
Sem cetro, sem bobo, sem manto e sem conquista?

Que rei eu sou?

O soberano de lugar nenhum, que nada comanda?
Que rei eu sou?
O derradeiro herdeiro de um império inexistente?
Que rei eu sou?
O senhor absoluto de absolutamente nada?
Que rei eu sou?
O comandante sem liderados e sem guerra?

Eu sou que rei?
O de um tabuleiro vazio?
Eu sou que rei?
O de um carnaval em luto?
Eu sou que rei?
O de um baralho sem naipes?

Eu sou que rei?
O mago sem estrela guia?

Que rei sou eu?
Que rei eu sou?
Eu sou que rei?

Nem eu sei!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A SAUDADE E EU

Eu nem sei mais sentir saudades...

Como uma dor crônica, com a qual acabamos por conviver pacificamente, a minha saudade já se entranhou tanto em mim que ficou desassistida. É como o respirar. Se nos perguntam como respiramos, se faz necessário parar para atentar a uma coisa que nos faz viver, mas à qual não observamos racionalmente. Minha saudade está assim. Não a percebo, por estar intrínseca em mim. Mas tenho a certeza de que me faz viver!


E eu continuo assim: Amando-te infinito!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

SUBLIMEI

Esperançava...
Desesperei.

Cria...
Descreditei.

Versava...
Estanquei.

Apetecia...
Descomprouvei.

Apurava...
Abandalhei.


Amei...
Amo e para sempre amarei!