domingo, 9 de agosto de 2009

SOU PAI

E Ele, o Pai, criou-me.
E fui eu a vagar...
Um ser à toa...
Longe da origem...
Longe de Deus...
E, lá um dia,
Fez-se a magia
Da transformação...
Nem noite, nem dia...
Nem momento,
Nem magia....
Fez-se um outro eu;
Um outro de mim...
Acabou-se aquele
Que nem vem, nem vai.
Deixei de ser-me
E tornei-me melhor.
Já não sou homem.
Já não quero ser Deus.
Hoje sei-me.
Hoje, sou pai!
Nem por Deus,
Nem por mim.
Sou pai pelos filhos
Que me amam assim!

Um comentário:

jane disse...

adorei...você é realmente muito inteligente;bjos