sexta-feira, 3 de abril de 2009

É QUASE ISSO

Às vezes, no meio da madrugada, fico me perguntando por que não deito pra dormir. Mas, se eu dormir, quem é que vai conversar comigo? E tem mais: os sonhos que sonho acordado são bem mais interessantes, para mim, que os que sonho dormindo. Aí o dia amanhece outra vez e tenho que ir pra rua fingir que acredito nas pessoas que fingem que acreditam em mim.
A cada dia que passa, tenho mais consciência de que não tenho consciência de nada. Então, questiono tudo e espero a madrugada chegar, para o mundo ir dormir e eu poder conversar comigo.
Quando não estou a fim de papo, boto um disco pra tocar e vou dançar com meus fantasmas. Eles nem dançam tão bem assim; mas eu também não. É só por farra; pra desopilar o juízo e dar risada!
Se eu contar isso pra alguém, vão dizer que sou maluco. Então não conto pra ninguém. Em vez de falar, escrevo. Aí, se alguém achar que é coisa de doido, posso dizer: que é isso, irmão? Isso é criatividade de escritor! Não acredite em tudo que você ler. Às vezes não é verdade; noutras, é só mentira!
E por aí vai...

Um comentário:

fabiana disse...

não se aches um maluco, nem tão pouco um escritor! Vc é um lindo anjo, perdido aqui, sem rumo... talves, a noite, quem sabe na madrugada profunda... vc consiga se transforma no homem , no poeta, no escritor que tanto grita dentro de ti...