segunda-feira, 29 de setembro de 2008

NÃO QUEIRAS OS DIAS QUE ME DÃO


Todo dia o dia traz um dia igual
É sempre a mesma coisa diferente
Que no final fica sempre tal e qual
Do mesmo jeito que sempre não foi.
É a realidade da rotina mutante
Fazendo-nos dormir para outro
No qual nada deixará para outro dia.

Por isso não quero te oferecer
Os meus dias de todo dia.
Dias tão iguais!

Guardo para ti meus melhores dias.
Dias de paz, sorrisos e poesias;
Dias de trocar fluidos e alegrias.
Dias de sonhar acordados;
Dias de dormir abraçados.
Dias de nós dois!

Por isso te peço que não queiras
Os dias de todo dia que me dão.
Prefiras os dias que te dou de coração!

domingo, 28 de setembro de 2008

VISÃO

O espelho me mostra o oposto


A poesia mostra a minha alma


Eu mostro o que penso ser eu


Você me mostra quem sou!

sábado, 27 de setembro de 2008

IDADES

Tenho quatro anos...

Mas estou muito velho!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

ANALYSIS

What I make n’ what I haven’t made
Make and also don’t make me what I am.
What I have of true or fake in me
Are much more occult than 2 mn8...
Therefore, don’t want to define me
As if accurate equation was I;
Or, our’s, will only remain good bye
Then this way, at the end, nothing will fade…





quinta-feira, 18 de setembro de 2008

METAMORFOSE (MÁRCIA ALMEIDA)

Nem eu, nem o espelho

Nem o fundo dos meus olhos

Me revela sobre mim agora.

E sigo assim e já não sei

Se sou guerreira, forte

Em meu tentar ser gente

Ou se frágil plantinha

Que me sinto hoje

A esperar pelo orvalho

De qualquer manhã

Ainda não chegada.


Conheça a autora em

http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=9738012589616944871