terça-feira, 18 de dezembro de 2007

ENGAVETANDO


Organize suas dores em uma gaveta!
Separe-as por cor ou tamanho,
Pra ficar mais fácil de achar no escuro.
Use gaveta sem chave ou trinco.
Não sei se você sabe:
Não devemos trancar nenhum tipo de dor!
Depois que tudo estiver bem arrumado,
Escolha sua dor predileta e vista.
Saia com ela sem nenhum pudor.
Ande pelas ruas; vague à toa por aí...
Quando der vontade, pare e chore um pouco.
Prove o gosto de suas lágrimas;
Lembre-se do mar, da maresia.
Então, invente uma Lua cheia
Boiando no firmamento,
Pedindo-lhe uma bela serenata.
Cante aquela canção tão sua
Que você jurou nunca mais,
Jamais, de novo cantar.
Aí, sorria um sorriso sem motivo.
Sorria outro e sorria mais um.
Lá na hora que lhe der vontade,
Volte pra casa e guarde sua dor.
Mas coloque-a em outra gaveta!
Ela já não combina com as outras...
Desbotou!

Um comentário:

Heloisa disse...

Maninho,lindo poema!Separei alguns versos:
"Não devemos trancar nenhum tipo de dor!'
Eu já fiz muito isso e confesso ,não me fez bem algum.Aí então ,
"Quando der vontade, pare e chore um pouco"
Chorei e muito!Depois de ter derramado muitas lágrimas .
"Volte pra casa e guarde sua dor."
Só que diferentemente do seu final,ao voltar para casa ,já não trazia mais dor alguma.Elas tinham ficado para trás,esquecidas!
Beijos !