terça-feira, 6 de novembro de 2007

CASA PEQUENA

A minha casa será pequena.
Nela não caberá muita coisa.
Na sala, uma estante,
Para os discos, os livros
E, talvez, uma TV;
Vai ter, também, um sofá
Que caiba meu sono.
No quarto, uma cama,
Dessas bem grandes,
Pra eu me “espatifar”
De cansaço ou prazer,
Um som e um computador.
Em algum canto, onde der,
Uma rede onde eu possa,
Nos momentos de carência,
Me embalar e ninar!
Minha casa terá ventilador
Para os dias de calor
E, também, um telefone,
Provavelmente celular,
Cujo número poucos terão,
Mas que, mesmo assim,
Muitas vezes, manterei desligado.
Na cozinha, um fogão,
Uma geladeira, um filtro
E, quem sabe, um microondas.
Cinzeiros serão fundamentais,
Pois ainda estarei fumando.
Não haverão plantas,
Pois posso esquecer de regar.
Pronto!
Na minha casa pequena,
Onde não caberá muita coisa,
Moraremos a saudade,
A solidão e eu.
Mas, quem vier em paz,
será bem vindo.
Principalmente você!

2 comentários:

Régis Calheira disse...

Meu irmão, espero que na sua casa possa caber, ao menos, a lembrança desse seu amigo.

Grande abraço !

Anônimo disse...

Seja feliz! Você merece tudo de melhor! O meu beijo de boa noite com todo o meu amor de sempre.