terça-feira, 16 de outubro de 2007

AH, TEMPO!

No sentimento em que vive
Este eterno sonhador,
Não há tempo,
Não há tempo,
Não há tempo...

Não há tempo a perder...
Pois preciso estar com você agora!

Não há tempo a contar...
Pois com você esqueço as idades!

Não há tempo a temer...
Pois com você não temo temporal!

Não temo o temporal dos ventos...

Não temo o temporal dos dias...

Não temo o temporal dos ouvidos...
Surdos de sua voz que amo,

Assim como cego estou de
Não poder te ver comigo...

E como estive paralítico
Por não poder tocá-la...

E como tudo é tempolábil
E por não negar-me;

E por não negar-te;
Digo então em hábil tempo:

No sentimento em que vive
Este eterno sonhador,
Há tempo,
Há tempo,
Há tempo...

Um comentário:

Wendy disse...

O amor verdadeiro é eterno e o tempo é irrelevante. O movimento é de corpos, mas as almas se conhecem a muito. Te amo!