sexta-feira, 29 de junho de 2007

POSIÇÃO RELATIVA (OU SOBRE COMO NÃO DEVEMOS LEVAR AS COISAS AO PÉ DA LETRA)

Queria eu ser sua sombra e sua luz;
Deitar sobre o concreto e o imaginário;
Mergulhar na profundidade da angústia que te abstrai.
Deitaria sobre ti, respeitosamente,
Para protegê-la seja lá do que for, ou que vier!
Juntaria todos os cacos;
Entenderia a sua língua;
Preencheria os teus espaços,
Fazendo cheio teu quarto minguante.
E mesmo que os olhos mais atentos nada distingam,
Minhas emoções estão cada vez menos obscuras.
Eu a entendo!
Tire os óculos!
A imagem embaçada me faz melhor justiça.
Finja que vai tirar uma foto,
Incline a cabeça pra direita e veja além...
Existem sim os campos floridos, bonitos...
E lá, um dia (ou noite) uma linda flor
Há de desabrochar!
Eu já a vi em sonhos
E mostrei às paredes do meu quarto!

Um comentário:

espelhoabstrato disse...

Interessante, você é bom em intertextualizações.
rs, as suas são bem....sutis!